Conflito socioambiental

Praia de Suape

Localização

Praia de Suape Cabo de Santo Agostinho
Pernambuco
Município(s) atingido(s): 

Cabo de Santo Agostinho (PE)

Período: 
2006
População atingida: 

60 famílias

Agentes causadores: 
Estaleiro Atlântico Sul, Complexo Portuário Suape
Tipo de Agentes causadores: 
Situação do conflito: 

Indústria Naval, Expropriação e Despejo de Famílias Pesqueiras, Degradação Ambiental, Impedimento de Acesso, Privatização da Ilha de Tatuoca – com a necessidade de ampliação e aprofundamento dos taludes do Porto de Suape, o complexo portuário iniciou em 2009 várias dragagens e utilizou como área de descarte o mar aberto, pesqueiros naturais de uso tradicional pelas comunidades pesqueiras da região. Isso inviabilizou a atividade pesqueira, danificando os apetrechos de pesca pela quantidade de lama e outros entulhos jogados na área. Para instalação de mais 05 estaleiros, o governo do estado apresentou à Assembleia Legislativa projeto de lei propondo a supressão de 1000 hectares de Mata Atlântica e manguezais. Com a pressão exercida pela sociedade, o projeto lei restringiu a área para 495 hectares.

Grupos apoiadores e parceiros : 

Colônia de Pescadores Z – 06, de Barra de Sirinhaém/ Conselho Pastoral dos Pescadores NE II/ Irmãs Franciscanas Bernardinas/ Instituto Recifes Costeiros/ Fórum Suape – Espaço Socioambiental

Comissão Pastoral da Terra NE II/ BOTH ENDS – instituição holandesa de defesa do ambiente

Fonte: 

Relatório de Conflitos Socioambientais e Violações de Direitos Humanos em Comunidades Tradicionais Pesqueiras no Brasil. – Brasilia/DF. 2016. 104p. - ISBN 978-85-60917-56-3 | Conselho Pastoral dos Pescadores, Org.: Tomáz, Alzení de Freitas & Santos, Gilmar.

Acesse aqui!