Saiu na imprensa

Venda de pescado tem queda de 90%

Linha fina: 
Com redução no turismo e na demanda, pescadores artesanais relatam perdas em diversos municípios do estado, como Itapissuma e Itamaracá
26-05-2020
Imprensa: 

Publicado originalmente no Diário de Pernambuco | Por Patrícia Monteiro

Com a pandemia da Covid-19, o isolamento social e o fechamento dos principais estabelecimentos de comercialização, os pescadores artesanais de Pernambuco viram as vendas despencarem 90%. Esta redução ocorreu principalmente em municípios como Itapissuma e Itamaracá, segundo dados do Conselho Pastoral de Pescadores. Pelos dados apresentados, mesmo um município como Itapissuma, que não possui um turismo tão pulsante, possui cerca de 70% do seu comércio voltado para a pesca que atende a este segmento.

Joana Rodrigues Mousinho, 64, presidente da colônia de pescadores de Itapissuma, relata a dificuldade das vendas.  “Ainda é possível vender o peixe seco, muito utilizado como aperitivo, mas outras coisas não. O filé de siri, por exemplo, que vendo, só ando pescando para consumo próprio. Eu sou aposentada pela pesca, então, estou conseguindo sobreviver, mas quem não é? Muitas mulheres vivem da venda de caldinho ou caldeirada na praia. Um dia desses, recebemos 350 cestas de empresários, mas tivemos que escolher para quem doar de acordo com quem tinha mais necessidades ou filhos. Ninguém estava preparado para esta queda, este impacto tão grande. Está difícil demais”, relata.

Para conferir a matéria na íntegra, acesse o site do Diário de Pernambuco!

Linha de ação: